O que você quer para os seus filhos quando eles crescerem?

 

Processed with Moldiv

Na reunião desta quarta tivemos o prazer de ouvir um estudo dirigido pela Poliana Quintão. Ela é uma das fundadoras do ministério e trouxe uma mensagem maravilhosa sobre criação de filhos, usando o Salmo 23 como base.

Que tal começarmos fazendo algumas reflexões? Pense nas seguintes perguntas: O que queremos para as nossas crianças quando elas se tornarem adultas? Queremos que elas se tornem pessoas boas, capazes e misericordiosas? Queremos ver nossos filhos felizes? Queremos vê-los na presença do Senhor para sempre?

Sim, desejamos tudo isso. Temos sonhos para cada um deles e tudo o que uma mãe mais quer é ver aqueles bebês lindos, aos quais um dia demos à luz, se tornarem pessoas incríveis, realizadas e cheias de Deus. A Bíblia possui grandes ensinamentos para que consigamos conduzir nossas crianças por esse caminho de triunfo. O Salmo 23 vai nos mostrar como.

“O Senhor é o meu pastor, de nada terei falta. Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz à aguas tranquilas”.

Com estes dois primeiros versículos vemos a importância do papel do pastor. Ele é a pessoa responsável pelas ovelhas, assim como nós, mães, somos responsáveis pelos nossos filhos. O pastor sabe que precisa alimentar as ovelhas, que precisa cuidar delas, ajudá-las a descansar. Somos as pastoras das nossas crianças e precisamos encarar a criação delas com a mesma seriedade que um pastor lida com o seu rebanho.

“Restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do Seu nome”.

A mãe tem um papel fundamental na vida dos filhos, durante toda a vida. Somos para eles um lugar de descanso. A mãe tem o poder de dar aconchego para as crianças, ela levanta, e fornece todo o suporte necessário para que os filhos se desenvolvem. Ela também guia, dando o exemplo. Por isso, precisamos ficar atentas às nossas atitudes, amando a Deus e sendo direcionadas por Ele. Se agirmos dessa forma criaremos em nossos filhos o desejo de seguir a Cristo também.

“Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois Tu estás comigo; a Tua vara e o Teu cajado me protegem”.

A mãe sempre será um lugar de refúgio. Precisamos ser presentes nas vidas dos filhos desde pequenos, para que mesmo quando eles crescerem eles possam saber que estamos por perto. Devemos conduzir os nossos filhos, moldando o caráter deles, disciplinando, assim como um bom pastor. Ao mesmo tempo em que o cajado é visto como instrumento de disciplina, ele também é usado como meio de condução. O processo de educar é trabalhoso. Não podemos ter preguiça! Precisamos conduzi-los treinando pela instrução. A mãe faz isso instruindo diariamente. Ela mostra como se faz. Depois, com o tempo, eles passam a andar com as próprias pernas. Mas antes, eles seguem os nossos passos. Por isso não podemos negociar o que é inegociável.

“Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos. Tu me honras, ungindo a minha cabeça com óleo e fazendo transbordar o meu cálice”.

Devemos honrar os nossos filhos, abençoá-los todos os dias, compreendendo a importância das nossas ações. Devemos ensiná-los a perdoar aqueles que nos fazem mal, e tratar a todos com generosidade.

“Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida e voltarei à casa do Senhor enquanto eu viver”.

Tudo o que fazemos deixa um rastro. Se amamos, deixamos um rastro de amor. Se somos relapsas, deixamos um rastro de abandono. As memórias construídas hoje permanecerão nos corações das nossas crianças para sempre. Se os ensinarmos a amarem a presença de Deus, a frequentarem a casa de Deus, se mostrarmos a eles a fidelidade do nosso Pai celestial, tudo isso se tornará tão natural, que eles não saberão viver de outra forma.

Assim como diz Devi Titus, concordamos que “O lar é onde o coração humano é formado”. Por isso devemos investir tempo na formação da nossa descendência, e encarar essa tarefa como a nossa principal missão.

 

Quem postou?
Compartilhe!

Minha Casa, Uma Nação!

Processed with Moldiv

Você sabe o que é nação?

Pare por um segundo para pensar. Você sabe responder a esta pergunta? Nação é um país? Um povo? Uma região geográfica? Bem, esses são alguns conceitos. Mas eu quero que você perceba que a sua família também é uma nação. Ficou complicado? Não se preocupe. Leia este texto até o final que vai fazer sentido.

O dicionário Aurélio define a palavra “nação” da seguinte forma: Conjunto de indivíduos habituados aos mesmos usos, costumes e língua. Estado que se governa por leis próprias. Casta, raça. Naturalidade, pátria. Seguindo esta lógica podemos entender que estamos falando da reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, que falam o mesmo idioma, possuem hábitos semelhantes, compartilham a história, o sangue e tradições. Já deu para perceber os indícios de que a sua família também é uma nação?

Pense na sua casa. Lá existem regras, costumes, pratos favoritos e até um jeito de falar característicos. Vocês possuem uma história, vivenciaram as próprias batalhas e se identificam como família. Neste ambiente, assim como qualquer nação, também existem os “governantes”. Você tem um palpite de quem eles são? Sim, são os pais. Os responsáveis por manter a unidade, criar um código de conduta, as leis que regem o espaço onde todos moram. E se tem governantes, é claro que também existem os cidadãos. É onde os filhos entram. Cada um pode ter as suas características peculiares, a individualidade, mas todos convivem dentro do mesmo espaço, em um mesmo contexto. Ainda que sejam pessoas tão diferentes, com os próprios quartos e manias! Assim como regiões, estados ou províncias, juntos vocês formam uma poderosa nação.

Mas um dia as crianças vão crescer, sair de casa e formar as suas próprias famílias. Elas serão as governantes das suas próprias nações. Porém, dentro de cada uma delas haverá sempre os conceitos aprendidos ao longo da vida. Os princípios, valores, as influências recebidas farão parte das memórias e das referências. Como mãe você está participando ativamente da formação de outras nações.

Existem nações que vivem em pé de guerra. Outras que são marcadas pela paz. Existem aquelas que lideram, outras são subjugadas. Em que tipo de nação você quer viver? Qual nação você quer formar? Que modelo você quer deixar como legado? Tudo isso está nas suas mãos. Como “governante”, você tem a missão de organizar a sua nação, implantando valores e princípios, mostrando o certo e o errado. Você também escolhe o lugar onde seus filhos vão estudar. As influências que eles vão receber, as pessoas com quem vão conviver. Sua nação, e as que sairão de dentro do seu lar, serão afetadas por cada pequena decisão que você toma. Criar um filho, manter um lar, não é algo que diz respeito apenas a sua própria casa. Existe um futuro envolvido.

Por isso eu te pergunto: qual tem sido a sua forma de governo? O que você tem ensinado aos seus filhos? Pense bem, pois outras nações também dependem de você.

Por Eiricka Braga.

© 2015 Microsoft Termos Privacidade e cookies Desenvolvedores Português (Brasil)

Quem postou?
Compartilhe!

Saladinhas em taças

IMG_4929
Simples, prática e ao mesmo tempo super charmosa! foram com as saladinhas em taças que uma das mães nos recebeu em uma de nossas reuniões. São deliciosas, então resolvemos postar aqui no blog como uma ótima dica no nosso “Tá na Mesa”.

Ingredientes:

Peito de Frango desfiado
Presunto
Azeitona
Damasco
Maionese

Modo de preparo:

Cozinhe e desfie o frango, acrescente o presunto a azeitona e o damasco picados. Misture todos os ingredientes com maionese light para ficar ainda mais leve. Coloque em taças e já estão prontinhas para servir!

Quem postou?
Compartilhe!