O buquê ideal para o casamento!

bridal-bouquet-1625234-639x426

Há algumas semanas postamos uma série de mensagens no Instagram falando sobre flores, escrita pela Eiricka Braga. Muita gente gostou do assunto e recebemos vários comentários legais. Por isso reunimos todos, os reeditamos e decidimos postar aqui também.

Se você não tem Instagram, leia e seja abençoada! Se você acompanhou as postagens por lá, aproveite para ler de novo! Sempre podemos aprender algo novo ao reler aquilo que já nos abençoou.

Boa leitura!

Somos a noiva a espera do noivo! Assim a Bíblia nos diz. A tradição de usar um buquê vem de tempos muitos antigos e perdura até os dias de hoje. Com o tempo as coisas mudam, são aprimoradas, surgem tendências e novas modas, mas o buquê continua sendo indispensável para uma cerimônia de casamento. E ele foi a minha inspiração para este estudo. A ideia deste texto é que nós mesmas aprendamos a montar um buquê. Não para um casamento, mas para a vida.

Por onde começar? A escolha das flores é um dos principais passos para montar um arranjo sofisticado. Uma dica importante é não optar por flores do mesmo tipo, para não enfraquecer o visual.

Com as flores definidas é preciso retirar a folhagem dos ramos para que o buquê tenha harmonia. As folhas podem até ser usadas, mas em excesso elas prejudicam a composição. Na nossa vida também é assim. Temos que remover aquilo que ofusca a beleza das flores. Aquilo que vai crescendo ao longo da nossa história. Na jornada pessoas nos decepcionam, sonhos são frustados, doenças se alojam em nosso corpo físico, e em nossa alma. Sofremos separações, morte, gritaria, confusão, depressão, incompreensão. Mas independente da nossa situação e do passado, temos que nos lembrar: somos noivas, caminhamos em direção ao grande dia. E para a montagem do buquê ideal temos que nos livrar da folhagem.

O habilidoso Jardineiro Mestre nos ajuda na limpeza, na montagem, e nos diz:

“Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade.” (Efésios 4.31)
Depois de removida a folhagem, lembre-se que as flores não devem ser do mesmo tipo. Elas também precisam ser vistosas. Escolhemos então a Flor da Humildade para começar o nosso buquê. Além de linda, ela é usada para produção de perfume. E as fragrâncias são extraídas de flores esmagadas e trituradas. Há um tesouro na dor, sem dúvida alguma. Ouso dizer que nos tornamos pessoas melhores na dor. A palavra de Deus nos diz isso:

“A tristeza é melhor do que o riso, porque o rosto triste melhora o coração.” (Eclesiastes 7.3)
Essa flor nasce em terrenos secos e rochosos. Ela nos dá a capacidade de transformar perdas em ganhos, se usarmos nossas lágrimas para desenvolvermos sabedoria. Ela é indispensável em nosso buquê. Embeleza e ainda dá uma fragrância especial. Atrai olhares dos convidados e o noivo a vê de longe. Quando estamos passando por circunstâncias difíceis cultivamos essa flor em nós. Nessa hora devemos nos lembrar que o noivo está ansioso à nossa espera e Ele procura essa flor em nosso buquê. Ele enxerga o nosso coração melhorado.

Considerando a dica de não optar por flores do mesmo tipo para não enfraquecer o visual, escolhemos em seguida a Flor da Fé. A Bíblia nos diz:

“Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.” (Hb 11.1)

Ela é indispensável. Resiste ao calor escaldante e ao frio congelante. Permanece viva em todas as temperaturas. Ela abre a nossa visão, nos fazendo enxergar perfeitamente o que ainda esperamos. Ela não faz perguntas, não pede nenhum sinal, não demonstra dúvida. Ela age com um raro e precioso silêncio em tempos de seca e escuridão. Ela possui uma fragrância doce de submissão, aceitação e gratidão. Sim, com ela conseguimos sorrir para o futuro, ainda que ele pareça duvidoso, nublado, e desconhecido.

É a fé que faz os nossos passos até ao altar serem emocionantes com as famosas borboletas no estômago! Sem ela o casamento não acontece. Sem ela o buquê não tem vida, não tem beleza! Porque o justo vive pela fé. Por isso ela merece estar com a Flor da Humildade. Essa sem dúvida é uma combinação perfeita!

Agora vamos acrescentar a Flor da Obediência! Que tipo de flor lhe vem à mente quando pensa em obediência? Eu penso em uma flor firme, robusta, compacta e duradoura. Sabe por quê? Porque obediência é evidenciada por uma determinação e um compromisso conseguidos com muito esforço. É em vão todo e qualquer tipo de preparo para o casamento sem essa flor. Você pode passar o dia da noiva em um dos lugares mais caros e sofisticados, você pode usar o vestido mais cobiçado, mas o noivo não dá valor para isso. Em uma de Suas cartas para a noiva Ele diz:

“Acaso tem o Senhor tanto prazer em holocaustos e em sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? A obediência é melhor do que o sacrifício, e a submissão é melhor do que a gordura de carneiros.” (1 Sm 15.22)
O noivo tem prazer em enxergar essa flor em nosso buquê, por isso coloque-a juntamente com as Flores da Humildade e da Fé.

A verdadeira obediência é aquela que você segue sem questionar. Não quer continuar orando, está cansada por não obter resposta? Obedeça! Quer desistir da aliança? Do casamento? Dos filhos? Dos negócios? Quer jogar tudo para o ar? Não faça isso. Obedeça. Quer desistir da dieta, de cuidar da saúde? Pare para pensar e obedeça! Quer desistir de orar por sua nação porque está tudo de cabeça para baixo? Obedeça! Quer desistir do ministério porque tem surgido muitos obstáculos? Obedeça! Lembre-se: o noivo requer obediência e não sacrifício.

Nos mais belos buquês sempre há algumas flores de tamanhos diferentes. As maiores se destacam e contribuem para deixar o arranjo mais interessante! Por isso vamos acrescentar a Flor da Visão do Futuro.

Você pensa em como será o futuro da sua família, de seus filhos e netos? Você sonha com uma vida maravilhosa para você e para seus queridos descendentes? Incentive-os a ter um caráter piedoso, atitudes honradas com princípios e valores estabelecidos na palavra de Deus. Sabe por que a mulher de Provérbios 31 consegue rir do futuro? Porque ela tem essa flor em seu buquê. Ela sabe que suas qualidades morais e conduta atrairão o amor do noivo. Ela tem a visão de um futuro certo e cheio de esperança porque acredita e confia nEle como provedor. Ela O conhece muito bem.

Colha essa flor para o buquê. Te encorajo a sentar-se com sua família e despertar essa visão do futuro. Ore pelo amanhã de sua família. Profetize bênção, prosperidade, saúde. Ore pelos cônjuges de seus filhos ainda que estejam na infância.

Um dos detalhes que várias noivas se perguntam é: afinal, o buquê deve ou não combinar com a decoração? Bem, o buquê deve servir como um elo entre o vestido e o estilo da cerimônia. Por isso, é essencial que ele esteja ligado ao visual e ao perfil da noiva. Mas ele não deve combinar, necessariamente, com a decoração. Não tem que ter as mesmas flores ou cores, mas precisa estar em sintonia com o ambiente.

Lembre-se: a decoração está em suas mãos. É você quem escolhe. Ela que tem que estar em sintonia com você, mas é apenas um detalhe que não pode influenciar na escolha do seu vestido e buquê.

Estamos no mundo mas não pertencemos a ele. Precisamos estar em sintonia, mas nosso buquê não deve combinar com ele e sim com o nosso vestido branco, alvo como a neve. Em nenhum momento os olhares do noivo estarão na decoração. Ele não se importa nem um pouquinho com isso, mas está atento a cada detalhe seu. De longe Ele enxerga o vestido, o buquê, a posição das flores, a qualidade e as cores. E lá estão as Flores da Humildade, da Fé, da Obediência e da Visão do Futuro, muito bem harmonizadas.

Agora passo a passo entre na passarela da vida rumo ao noivo! Forme família, viva intensamente cada fase do casamento! Ensine seus filhos a felicidade e os detalhes desse grande dia!!! Ensine-os a se prepararem para as Bodas do Cordeiro!

Quem postou?
Compartilhe!

Mas é só uma mentirinha!

paper-family-1313628-639x426

Seu filho chega da escola contando uma história incrível. Ele e os colegas desenvolveram uma brincadeira super legal que acabou envolvendo todos no recreio. Enquanto fala, parece que ele vai se divertindo ainda mais e o que começou como um relato simples, se torna um enredo extraordinário. Você fica desconfiada que aquilo tudo não pode ser verdade. Mas o seu filho não mente. Você ensinou que mentir é errado e pecado! Mesmo assim você pergunta se de fato tudo aquilo aconteceu. Seu filho garante que está dizendo verdade verdadeira! Mas lá no fundo você está em dúvida…E aí?

Este um dilema enfrentado por quase todas as famílias. Como saber que as crianças estão contando uma mentira? E como lidar com isso? A Bíblia diz no versículo 44 do capítulo 8 de João que o diabo é o pai da mentira e precisamos ensinar isso aos nossos filhos.

“Vocês pertencem ao pai de vocês, o diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira.”

Há quem pense que mentirinhas leves não fazem mal a ninguém. Como dizer que está sem fome só para evitar um alimento do qual não gosta. Ou dizer que está passando mal para não ir a escola. Mas quando falamos algo que não é verdade, por definição, só pode ser mentira. E se é mentira, é pecado. Não existe meio termo. Precisamos mostrar aos nossos filhos a importância de falar sempre a verdade, mesmo quando ela pode nos prejudicar. Se aceitarmos dentro de casa “pequenas inverdades”, mostraremos para as crianças que a mentira em algumas situações pode ser aceita. E o que hoje pode parecer apenas como uma mente muito criativa, pode se tornar um problema muito sério no futuro.

Mas será que dá para saber quando os pequenos não estão falando a verdade? Bem, um artigo publicado no site da revista Pais & Filhos aponta 10 sinais clássicos que podem nos ajudar a identificar.

1) CONTATO VISUAL FOR A DO COMUM

As crianças pequenas evitam fazer contato visual quando estão mentindo. Conforme elas vão crescendo, ganhando confiança e a mentira fica mais sofisticada, elas voltam a manter o contato visual, mas de uma forma diferente do que elas estão acostumadas a fazer: ou olham muito fixamente para você, ou desviam o olhar sempre que você as encara. Tanto um sinal quanto o outro pode indicar que seu filho está mentindo.

2) REPETIÇÃO

Outro sinal comum de que a criança está mentindo é repetir parte das perguntas que você fez como parte da resposta que ela está tentando inventar. Esse é normalmente um jeito de ganhar tempo para pensar em uma história. Por exemplo, se você pergunta para seu filho o que ele estava fazendo fora de casa depois de voltar da escola, ele vai responder: “O que eu estava fazendo fora de casa? Bom, eu estava…”.

3) TOCAR O ROSTO

Tocar partes do rosto, ou mexer nas orelhas, nariz ou cabelos, podem ser sinais de que seu filho não está dizendo a verdade. Esconder os lábios também pode ser um forte indício de que uma mentira vem aí.

4) INCONSISTÊNCIAS

Preste bem atenção se a história do seu filho não começa na casa da avó e termina no apartamento da tia. Inconsistências são um dos sinais mais fortes de que seu filho não está te dizendo a verdade.

5) REAÇÕES DEFENSIVAS

Uma criança que mente muitas vezes vai reagir de forma desproporcional a qualquer acusação sua, dizendo que você não confia nela ou até começando a chorar antes mesmo da bronca. Preste atenção na história que vem depois: provavelmente será uma mentira.

6) GESTOS INCOMUNS

Mãos na cintura, braços levantados, pernas que não param… Se nada disso faz parte do comportamento usual do seu filho, fique atenta: os gestos incomuns e as posições do corpo podem indicar que ele está inventando uma história.

7) MUDANÇAS NO PISCAR DOS OLHOS

Piscar sem parar ou simplesmente ficar com os olhos esbugalhados, sem piscar, são dois sinais clássicos de que uma mentira está em jogo. Quando a criança pisca muito, ela está tentando se livrar rapidamente da mentira. Quando ela simplesmente não pisca, seu índice de estresse está elevadíssimo.

8) MEXE PRA LÁ, MEXE PRA CÁ

Você percebeu que seu filho não para quieto enquanto está te contando porque não fez a lição de casa? Essa é outra pista de que ele está se sentindo desconfortável porque não está dizendo a verdade (ou, simplesmente, ele quer muito fazer xixi).

9) ENROLANDO

A não ser que seu filho seja extremamente comunicativo, se ele está muito agitado e contando muitos detalhes sobre um fato pode ser que a criança esteja tentando deixar a história mais verossímil por meio da enrolação.

10) MUDAR O TOM OU VELOCIDADE DA FALA

Pausas longas, hesitação ou falar com um tom de voz mais baixo são algumas das pistas que, somadas a outras dessas que listamos, indicam que a criança não está dizendo a verdade.

E se você identificar que isso está acontecendo? Aí é hora de confrontar com a verdade. Seja amável, mas pergunte se a história que está sendo contada é verdadeira. Se a criança continuar mentindo, peça que ela repita alguma parte para ver se ela vai manter a versão ou irá se embolar. É importante que ela veja que você está falando sério e reconheça que errou.

Mostre na Bíblia que Jesus é o caminho, a Verdade, e a vida. Logo, para Ele é muito importante que sejamos sempre sinceros. Mostre também quem é o pai da mentira… Se somos filhos de Deus, temos que ter atitudes parecidas com o Senhor.

Converse com calma, mas seja firme. Procure saber o que motivou a mentira. Por fim, orem juntos, pedindo perdão a Deus. Esse será um bom momento para explicar para seu filho que Jesus morreu na cruz pelos nossos pecados. Por todos eles! Até pela mentirinha boba que ele contou.

Que Deus te abençoe!

Quem postou?
Compartilhe!

A lenda da vitória-régia

 

vitoria

Recebemos Virginia em uma de nossas reuniões e de uma maneira profunda ela nos levou a refletir, fez um comparativo entre a lenda da vitoria régia e nós mulheres.

Existe uma lenda indígena para descrever a criação da vitória régia. Segundo a história, a Lua era uma deusa que escolhia meninas virgens das aldeias para transformá-las em estrelas. Uma jovem guerreira chamada Naiá sonhava com o dia em que também seria levada. Os anciãos da tribo tentavam alertá-la de que isso significava a morte. Porém a indiazinha não se importava e vivia com a expectativa de ser escolhida. Até que uma noite ela saiu para caminhar entre as montanhas. Cansada, parou à beira de um lago. Observando a água Naiá viu o reflexo da Lua. Cega pelo desejo de se tornar uma estrela, ela se jogou no lago, na esperança de ser acolhida pela deusa e transformada em estrela. Naiá morreu afogada e a Lua, compadecida, a transformou em uma “Estrela da Águas”, a vitória-régia.

Bem, não é necessário dizer que essa lenda não passa de uma mentira. Conforme está escrito na Bíblia, Deus criou todas as coisas. Mas as lendas também têm uma função. Elas nos levam a refletir sobre a vida.

Assim como a menina da lenda, muitas mulheres se afogam todos os dias por não conhecerem o Criador. Mulheres que vivem sem objetivo e sem firmeza de propósito. Mulheres infelizes, inquietas, preocupadas, que agem dessa forma por não terem um relacionamento com Deus. Mulheres que não ouvem conselhos.

A lenda conta que os próprios pajés da tribo avisaram à Naiá de que ela não devia perseguir a Lua. Mas na história ela os ignora e toma a decisão sozinha. Infelizmente uma situação muito frequente, já que todas nós conhecemos pessoas que acreditam não precisar de ouvir ninguém. Porém, mulheres que se acham autosuficientes se afogam. Nós precisamos umas das das outras, mas acima de tudo precisamos de Deus.

Existem muitas mulheres solitárias que vivem em comunidades. Várias que se sentem sozinhas, mesmo tendo muitos “amigos” e “curtidas” nas redes sociais. Mulheres que se perdem porque se esquecem de quem são em Deus. Mas somente saberemos quem somos em Deus se nos relacionamos com Ele.

O plano de Deus para nós não é para sermos infelizes, solitárias, ou para pularmos no lago em busca de ilusões. Ele nos fez para habitar em família, para termos uma vida abundante. Quando descobrimos quem somos no Senhor, percebemos que nada pode mudar isso. Afinal, essa se torna a nossa essência. Quando descobrimos a importância de nos relacionarmos com Deus arrumamos tempo para isso. Independente do ambiente em que estamos inseridas.

Voltando à lenda da vitória-régia, podemos aprender outras coisas com ela. Muitas vezes queremos a lua e caímos nas profundezas das águas. Essa planta tão curiosa nos leva a observar a diversidade da criação de Deus. E assim, olhando para nós mesmas, vemos como somos diferentes umas das outras e também dos nossos maridos. Deus nos fez assim. Por isso não queira ser alguém que Ele não te fez para ser. Valorize-se.

A vitória-régia é totalmente aquática. Quanto mais profundas as águas, maior é a raiz ! Quanto mais profunda for a sua comunhão com Deus maior será a sua raiz. Essa planta também serve de alimento para os índios. Que possamos servir de alimento para as pessoas ao nosso redor, principalmente para os nossos filhos e para os nossos maridos.

Além disso, a vitória-régia, além de ser linda, de servir de alimento, também é forte. Ela aguenta carregar até 40 quilos. Dá para acreditar? Para uma planta isso é muita coisa! Sabe o que isso nos ensina? Que podemos carregar os fardos uns dos outros, mesmo quando parecemos fragéis. Vocé pode ajudar a levar as cargas dos seus filhos e do seu marido. Muitas vezes falamos demais e magoamos as pessoas com facilidades. E assim, infelizmente, podemos ser mais destruidoras do que ajudadoras… E não foi para isso que Deus nos criou.

Por fim, as flores da vitória-régia são perfumadas! Ela tem tanto perfume que os besouros ficam dentro dela por cerca de dois dias e depois saem distribuindo pólen para outras plantas. Da mesma forma acontece com os nossos filhos. Eles vivem conosco por anos, dentro das nossas casas, debaixo das nossas asas. Eles são os nossos discípulos e levarão por onde andarem tudo o que absorvem de nós. Se temos perfumes dentro das nossas vidas, é isso que eles levarão.

Sim, a lenda da vitória-régia é uma história criada pelo homem. Mas se observarmos atentamente essa linda planta criada pelo Senhor, temos muito o que aprender.

Deus te abençoe!

 

Quem postou?
Compartilhe!